universidade federal de mato grosso

instituto de ciências humanas e sociais

programa de pós-graduação em antropologia social

teoria antropológica II

Sem.: 2015.2 (4 créditos)

Prof. Dr. Marcos Aurélio da Silva

Ementa: Estudo das proposições do pensamento antropológico nas últimas décadas do século XX através da leitura da bibliografia das diversas teorias que a disciplina desenvolveu. Estruturalismo francês e desdobramentos. Antropologia Interpretativa. A crítica pós-moderna.

programa

(1)  17/8/2015

Apresentação do plano de ensino, da metodologia e da avaliação.

Unidade I – Do Estruturalismo à Antropologia Interpretativa

(2)  24/8/2015 – introdução

RICOEUR, Paul. “Hermenêutica e estruturalismo”. In: Conflito de interpretações. Rio de Janeiro: Imago, 1978. pp. 27-54. (BAIXAR)

ORTNER, Sherry B. Teoria na antropologia desde os anos 60. Mana, 17 (2): 419-466, 2011. (BAIXAR)

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. “Tempo e tradição: interpretando a antropologia”. In: Sobre o pensamento antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003. (BAIXAR)

INGOLD, Tim. “Culture, perception and cognition”. In: The perception of the environment. Londres: Routledge, 2000. pp. 157-171. (BAIXAR)

(3)  31/8/2015 – estrutura e interpretação

Leitura obrigatória

LÉVI-STRAUSS, Claude. “A análise estrutural em linguística e antropologia”. In: Antropologia estrutural. São Paulo: CosacNaify, 2008. pp. 42-66. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. “Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura”. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

LÉVI-STRAUSS, Claude. “As estruturas sociais no Brasil Central e Oriental”. In: Antropologia estrutural. São Paulo: CosacNaify, 2008. pp. 133-146. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. “Um jogo absorvente: notas sobre a briga de galos balinesa”. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989. (BAIXAR)

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. (partes sobre Bororo, Nhambiquara e Kadiwéu). São Paulo: Companhia das Letras, 1996. (BAIXAR)

(4)  14/9/2015 – símbolos

Leitura obrigatória

LÉVI-STRAUSS, Claude. “A ciência do concreto”. In: O Pensamento Selvagem. Campinas: Papirus Editora, 2005. (BAIXAR)

LÉVI-STRAUSS, Claude. “Natureza e Cultura” e “O Problema do incesto”. In: As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis: Vozes, 1982. pp. 41-63. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. “O impacto do conceito de Cultura sobre o conceito de Homem”. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989. pp. 45-66. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. “The transition to humanity”. In: TAX, Sol (ed.). Horizons of Anthropology. Chicago: Aldine Pub., 1964. pp. 37-48. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

LÉVI-STRAUSS, Claude. “A eficácia simbólica”. In: Antropologia estrutural. São Paulo: CosacNaify, 2008. pp. 201-220. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. “A religião como sistema cultural”. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989. (BAIXAR)

DESCOLA, Philippe. Claude Lévi-Strauss por Philippe Descola (entrevista). Estudos Avançados, 23 (67): 183-192, 2009. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. O selvagem cerebral: sobre a obra de Claude Lévi-Strauss. Cadernos de Campo, 12: 119-132, 2004. (BAIXAR)

(5)  21/9/2015 – estrutura, prática, história

Leitura obrigatória

BOURDIEU, Pierre. “Esboço de uma teoria da prática”. In: ORTIZ, Renato (org.). Sociologia: Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983. (BAIXAR)

DOUGLAS, Mary. “Introdução”; “A impureza ritual”; “A impureza secular”. In: Pureza e perigo: ensaio sobre a noção de poluição e tabu. Lisboa: Edições 70, 1991. pp. 6-34. (BAIXAR)

SAHLINS, Marshall. “Estrutura e História”. In: Ilhas de história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed. pp. 172-194. (BAIXAR)

SAHLINS, Marshall. “Cultura e razão prática: dois paradigmas da teoria antropológica”. In: Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

LÉVI-STRAUSS, Claude. “História e Etnologia”. In: Antropologia estrutural. São Paulo: CosacNaify, 2008. pp. 13-42. (BAIXAR)

LEACH, Edmund. Once a knight is quite enough: como nasce um cavaleiro britânico. Mana, 6 (1): 31-56, 2000. (BAIXAR)

BOURDIEU, Pierre. “Da regra às estratégias”. In: Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004. (BAIXAR)

(6)  28/9/2015 – identidade, indivíduo, pessoa

Leitura obrigatória

DUMONT, Louis. “Introdução”. In: Homo hierarchicus: o sistema de castas e suas implicações. São Paulo: Edusp, 1997. pp. 49-68. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. “’Do ponto de vista dos nativos’: a natureza do entendimento antropológico”. In: O saber local. Petrópolis: Vozes, 1999. (BAIXAR)

GOLDMAN, Marcio. “Uma categoria do pensamento antropológico: a noção de pessoa”. In: Alguma Antropologia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999. pp. 21-38. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

GEERTZ, Clifford. “Pessoa, tempo e conduta em Bali”. In: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989. (BAIXAR)

VIVEIROS DE CASTRO, E.; SEEGER, A.; DAMATTA, R. A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. Boletim do Museu nacional, 32: 2-19, 1979. (BAIXAR)

NOVAES, Sylvia Caiuby. “Introdução”; “A antropologia contemporânea e os estudos sobre mudança social e identidade”. In: Jogo de espelhos: imagens da representação de si, através dos outros. São Paulo: Edusp, 1993. pp. 19-60. (BAIXAR)

(7) 5/10/2015 – Lévi-Strauss e Geertz, ainda; cultura e estrutura

Leitura obrigatória

KUPER, Adam. “Cultura e civilização: intelectuais franceses, alemães e ingleses, 1930-1958)”. In: Cultura: a visão dos antropólogos . Bauru: Edusc, 2002. pp. 45-72. (BAIXAR)

LÉVI-STRAUSS, Claude. “A noção de estrutura em etnologia”. In: Antropologia estrutural. São Paulo: CosacNaify, 2008. pp. 299-344. (BAIXAR)

GEERTZ, Clifford. “Anti-anti-relativismo”. In: Nova Luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 2001. pp. 47-67. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

KUPER, Adam. “Clifford Geertz: cultura como religião e como grande ópera”. In: Cultura: a visão dos antropólogos. Bauru: Edusc, 2002. pp. 105-160. (BAIXAR)

LÉVI-STRAUSS, Claude. “Raça e História”. In: Antropologia Estrutural dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. (BAIXAR)

GIDDENS, Anthony. “Estruturalismo, pós-estruturalismo e a produção da cultura”. In: GIDDENS, A.; TURNER, J. Teoria Social Hoje. São Paulo: Ed. Unesp, 1999. pp. 281-320. (BAIXAR)

(8) 13/10/2015 – Entrega da 1ª. prova (terça-feira), impressa e por email.

Unidade II – Pós-modernos, pós-coloniais, pós-estruturalistas

e feministas na Antropologia

(9) 19/10/2015 – pós-modernos e a escrita da cultura

Leitura obrigatória

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. “A categoria de (des) ordem e a pós-modernidade da antropologia”. In: Sobre o pensamento antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003. (BAIXAR)

CLIFFORD, James. “Introduction: partial truths”. In: Writing Culture: poetics and politics of ethnography. Berkeley and Los Angeles: University of California Press. 1986. pp. 1-26. (BAIXAR)

RABINOW, Paul. “Representações são fatos sociais”. In: Antropologia da Razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999. (BAIXAR)

MARCUS, George; FISCHER, Michael. “A crisis of representation in the human sciences”. In: Anthropology as cultural critique. Chicago: Un. Chicago Press, 1986. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

GOLDSTEIN, Daniel M. Hermeneutics and Ethnography: an interpretation of two texts. Arizona Anthropologist, 7:21-30, 1991. (BAIXAR)

MARCUS, George. O que vem (logo) depois do “pós”: o caso da etnografia. Revista de Antropologia, 37: 7-34, 1994. (BAIXAR)

CLIFFORD, James. “Sobre a alegoria etnográfica”. In: A experiência etnográfica. Organização de José R. S. Gonçalves. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1998. (BAIXAR)

MARCUS, George. “Afterword: ethnographic writing and anthropological careers”. In: Writing Culture: poetics and politics of ethnography. Berkeley and Los Angeles: University of California Press. 1986. pp.262-266. (BAIXAR)

ASAD, Talal. “Anthropology and the colonial encounter”. In: HUIZER, Gerrit; MANNHEIM (orgs.). The politics of anthropology. The Hague: Mouton, 1979. (BAIXAR)

BHABHA, Homi. “Pós-colonial e o pós-moderno. A questão da agência”. In: O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998. pp. 239-273. (BAIXAR)

FABIAN, Johannes. Colonização religiosa e secular (1990). Traduzido de “Religious and secular colonization (1990)”. In: Time and the work of anthropology: critical essays 1971-1991. Philadelphia: Harwood Academic Publishers, 199. pp. 155-169. (BAIXAR)

(10) 22/10/2015 – o feminismo como crítica à antropologia

Leitura obrigatória

ABU-LUGHOD, Lila. Writing against culture. In: FOX, Richard (ed.). Recapturing Anthropology: working in the present. Santa Fe: School of American Research Press, 1991. (BAIXAR)

HARAWAY, Donna J. “Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX”. In: TADEU, Tomaz. Antropologia do Ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. (BAIXAR)

ROSALDO, Michelle Z. O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Horizontes Antropológicos, 1 (1). Porto Alegre: PPGAS/UFRGS, 1995. (BAIXAR)

ORTNER, Sherry B. Subjetividade e crítica cultural. Horizontes Antropológicos, 13 (28). Porto Alegre: PPGAS/UFRGS. 2007. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

RUBIN, Gayle. “A circulação de mulheres: notas sobre a ‘economia política’ do sexo” (“The traffic in women”). In: REITER, Rayna (ed.). Towards an anthropology of women. New York: Monthly Rewiew Press, 1975. pp.157-210. (Tradução de Edith Piza, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social/PUC/SP) (BAIXAR)

STRATHERN, M. O Gênero da dádiva (prefácio e cap. 1). Campinas: Ed. da Unicamp, 2006. (BAIXAR)

ABU-LUGHOD, Lila. Locating Ethnography. Ethnography, 1(2): 261-267, 2000. (BAIXAR)

ORTNER, Sherry B. “Está a mulher para o homem assim como a natureza para a cultura?” In: ROSALDO, Michelle Z.; LAMPHERE, Louise. A mulher, a cultura, a sociedade. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 1979. pp. 95-120. (BAIXAR)

ABU-LUGHOD, Lila. 2001. A interpretação de cultura (s) após a televisão. Cadernos de Antropologia e Imagem, 13(2). Rio de Janeiro: UERJ. pp. 103-109. (BAIXAR)

PRATT, Mary Louise. “Narrando a anticonquista”. In: Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. Bauru: Edusc, 1999. (BAIXAR)

Unidade III – A Antropologia Contemporânea

(11) 9/11/2015 – humanidade e animalidade

PALESTRA: “Quando resta o animal: sobre os limites da estimação”, com o professor Dr. Jean Segata (PPGAS/UFRN). Local: ECCO/UFMT.

DESCOLA, Philippe. Além de natureza e cultura. Tessituras, 3 (1): 7-33, jan./jun. 2015. (BAIXAR)

INGOLD, Tim. Humanidade e Animalidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 10 (28): 39-54, 1995. (BAIXAR)

SEGATA, Jean. Os cães com depressão e os seus humanos de estimação. Anuário Antropológico, 2011-II, 2012: 177-204. (BAIXAR) – (tese de doutorado)

(12) 16/11/2015 – corporalidade e performance

Leitura obrigatória

CSORDAS, Thomas. “A Corporeidade como um Paradigma para a Antropologia”. In: Corpo/Significado/Cura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008. (BAIXAR)

LATOUR, Bruno. “Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência”. In: NUNES, João Arriscado e ROQUE Ricardo (orgs.). Objectos Impuros: Experiências em Estudos sobre a Ciência. Porto: Edições Afrontamento, 2008. (BAIXAR)

INGOLD, Tim. Da transmissão de representações à educação da atenção. Educação, 38 (1). Porto Alegre, 2015. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

CARDOSO, Vania. Afetos da descrença. Antropologia em Primeira Mão, 114 (2009): 1-17. PPGAS/UFSC. (BAIXAR)

CANEVACCI, Massimo. “Performática ubíqua: metrópole comunicacional, arte pública, cultura digital, sujeito diaspórico, crânio sonante”. In: RAPOSO, Paulo; et alii. A Terra do não-lugar: diálogos entre antropologia e performance. Florianópolis: Ed. UFSC/INCT Brasil Plural, 2014. pp. 287-309. (BAIXAR)

GOLDMAN, Marcio. Os tambores dos mortos e os tambores dos vivos: Etnografia, antropologia e política em Ilhéus, Bahia. Revista de Antropologia, 46 (2). São Paulo: USP, 2003. (BAIXAR)

CONQUERGOOD, Dwight. Rethinking ethnography: towards a critical cultural politics. Communication Monographs, 58. Jun. 1991. (BAIXAR)

(13) 23/11/2015 – sociedade e cultura

Leitura obrigatória

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “O conceito de sociedade em antropologia”. In: A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac Naify, 2011. (BAIXAR)

STRATHERN, Marilyn. “O conceito de sociedade está teoricamente obsoleto?”. In: O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014. (BAIXAR)

WAGNER, Roy. Existem grupos sociais nas terras altas da Nova Guiné? Cadernos de Campo, 19: 237-257, 2010. (BAIXAR)

STRATHERN, Marilyn. “Partes e todos: reconfigurando relações”. In: O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

INGOLD, Tim. Jornada ao longo de um caminho de vida: mapas, descobridor-caminho e navegação. Religião e Sociedade, 26(1): 76-110, 2005. (BAIXAR)

STRATHERN, Marilyn. “Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia”. In: O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014. (BAIXAR)

BARTH, Fredrik. “A análise da cultura nas sociedades complexas”. In: O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2000. pp. 107-139. (BAIXAR)

ARRUTI, José Maurício. Mocambo: antropologia e história do processo de formação quilombola. Bauru: Edusc, 2006. (BAIXAR)

OLIVEIRA, João Pacheco. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, 4 (1): 47-77, 1998. (BAIXAR)

(14) 30/11/2015 – natureza e cultura

Leitura obrigatória

INGOLD, Tim. Becoming Persons: Consciousness and Sociality in Human Evolution. Cultural Dynamics, 4 (3): 355-378, 1991. (BAIXAR)

LIMA, Tânia Stolze. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo numa cosmologia Tupi. Mana, 2(2): 21-47, 1996. (BAIXAR)

BATESON, Gregory. Uma teoria sobre brincadeira fantasia. Cadernos Ipub, 5. Rio de Janeiro: UFRJ/Instituto de Psiquiatria, 2000. pp. 35-49. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

DESCOLA, Philippe. Estrutura ou sentimento: a relação com o animal na Amazônia. Mana, 4 (1): 23-45, 1998. (BAIXAR)

HARAWAY, Donna. When species meet. Minnesota: University of Minnesota Press, 2008. (BAIXAR)

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. O que nos faz pensar, 18. Cadernos de Filosofia da PUC-Rio, setembro de 2004. pp. 225-254. (BAIXAR)

(15) 07/12/2015 – saberes reversos

Leitura obrigatória

MALUF, Sônia W. A antropologia reversa e “nós”: alteridade e diferença. Ilha - Revista de Antropologia, 12 (1,2) Florianópolis: UFSC, 2010. (BAIXAR)

WAGNER, Roy. A invenção da Cultura. Rio de Janeiro: CosacNaify, 2010. (Prefácio, introdução e cap.1) pp. 9-48. (BAIXAR)

LATOUR, Bruno. “Introdução: Como retomar a tarefa de descobrir associações”. In: Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador/Bauru: EdUFBA/Edusc, 2012. pp. 17-40. (BAIXAR)

INGOLD, Tim. “Caminhando com dragões: em direção ao lado selvagem”. In: STEIL, C. A.; MOURA CARVALHO, I. C. Cultura, percepção e ambiente. Diálogos com Tim Ingold. São Paulo: Terceiro Nome, 2012. (BAIXAR)

Leitura complementar (seminários)

GOLDMAN, Marcio. O fim da antropologia (resenha crítica de A invenção da cultura, de Roy Wagner). Novos Estudos CEBRAP, 89: 195-211. março, 2011. (BAIXAR)

CARNEIRO DA CUNHA, Manoela. Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico. Revista USP, 75: 76-84, set./nov., 2007. (BAIXAR)