tese e dissertação

ler   TERRITÓRIOS DO DESEJO: Performance, Territorialidade e Cinema no Festival Mix Brasil da Diversidade Sexual. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Florianópolis: PPGAS/UFSC, 2012.

capa pdfEsta tese apresenta uma etnografia dos processos de realização e organização do Festival Mix Brasil de Cinema da Diversidade Sexual, realizado em São Paulo anualmente, desde 1993, e empreende uma análise antropológica de seus processos de territorialização em relação à cultura audiovisual e às urbanidades contemporâneas. Partindo dos campos antropológicos de Gênero, Performance e Territorialidade, e na interface com teorias da Comunicação e Cinema, elaborei esta etnografia, em duas edições do Mix Brasil, 2009 e 2010, percorrendo territórios do festival e da cidade, bem como através de um recorte descritivo e histórico de sua estrutura (programação, filmes, eventos especiais, plateias, salas de exibição, catálogos e campanhas publicitárias). Chamo especial atenção para o modo como os festivais de cinema e o próprio cinema podem ser lidos como atividades e territórios transnacionais, em que os indivíduos tecem relações com base em processos de modernização, proeminente nas metrópoles. Destaco, ainda, as relações que podem ser tecidas entre os processos de territorialização da “cultura gay” urbana e as formas de apreensão, recepção e uso das imagens, apontando produções territoriais semelhantes que permitem elaborar o conceito de imagem-território. Este conceito torna-se útil para se pensar como cada imagem pode apontar e conectar territórios diversos, mantendo cada enquadramento e cada sequência prenhes de significados ou em constante produção simbólica ao olhar dos espectadores e programadores dos festivais.

ler   SE MANQUE! Uma etnografia do carnaval no pedaço GLS da Ilha de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Florianópolis: PPGAS/UFSC, 2003. 

capaA presente dissertação apresenta uma parte do carnaval da Ilha de Santa Catarina, conhecido como o carnaval gay da cidade, tendo lugar em um conjunto de territórios que incluem praia, bares, boates e também uma região do carnaval de rua do centro da cidade, em que a prefeitura da cidade é organizadora da festa. A idéia central é tomar o carnaval como um momento-chave da cultura brasileira em que características da vida social são postas em relevo e dramatizadas, não necessariamente sendo invertidas , como preconiza a teoria clássica da festa, mas podendo ser intensificadas , como permite perceber o carnaval analisado. Assim, através destes cinco dias de festa, é possível perceber fenômenos associados à homossexualidade no Brasil, permitindo o pensar sobre três eixos da pesquisa antropológica: a territorialidade , na compreensão da ocupação de um pedaço , intermediário entre a tradicional dicotomia casa/rua; a performance, como auxiliar no entendimento das contradições que envolvem a construção de identidades entre homens e mulheres que compartilham uma vivência homoafetiva; e a liminaridade , pensada não apenas como um momento intermediário do processo ritual, mas como uma característica que acompanha a vivência de boa parte desses indivíduos, entendidos aqui como sujeitos da margem . Através de um levantamento histórico e bibliográfico, de conversas informais e da observação participante, compreende-se este carnaval gay como a dramatização de uma vivência homossexual no Brasil, particularmente na capital catarinense, e suas possibilidades de reterritorialização para sujeitos que possuem um histórico de vidas desterritorializadas por conta de sua orientação sexual.

Antropologia e Cinema