Monthly Archives: outubro 2015

Curso de Extensão: Memória, narrativa e conflito na produção audiovisual

O curso de extensão de curta duração Memória, narrativa e conflito na produção audiovisual vai ser realizado entre os dias 17 e 19 de novembro de 2015, no Instituto de Ciências Humanas e Sociais da UFMT e será voltado aos alunos de graduação e pós-graduação da Universidade Federal de Mato Grosso, e à comunidade em geral, interessados em aprofundar seus conhecimentos na produção audiovisual em contextos urbanos, religiosos e em conflito. O curso terá uma carga de 12 horas/aula e se distribuirá em diferentes atividades nestes três dias, com a presença da documentarista Vanessa Lehmkuhl Pedro, doutora em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina e professora da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). O curso começa na noite de terça-feira, dia 17, e depois segue nas tardes de quarta e quinta-feira, 18 e 19, sempre coma exibição de filmes, debate e conteúdos de produção audiovisual.

O curso faz parte do projeto de extensão Laboratório de Antropologia e Produção Audiovisual, realizado junto ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFMT, que tem o objetivo de constituir dentro do Departamento de Antropologia, um espaço de produção e reflexão sobre o cinema e a fotografia. Vanessa Lehmkhul Pedro tem experiência na produção de documentários com correspondentes de guerra da imprensa mundial e também produções que versam sobre música e sobre religiões afro-brasileiras em contextos urbanos. Veja abaixo a programação

Inscrições para emissão de certificados podem ser feitas até o dia 16 de novembro pelo email: lapaufmt@gmail.com, com o envio da FICHA DE INSCRIÇÃO em anexo. O curso é totalmente gratuito.

Programação

TERÇA-FEIRA, 17 DE NOVEMBRO, NOITE

Auditório do ICHS, 19h.

Noite de abertura

Cuiabá numa só palavra”. Produção dos alunos do Laboratório de Antropologia e Produção Audiovisual (Lapa). 1’.

Guerra.doc: entrevistas sobre cobertura de guerra”. Direção: Vanessa Pedro. 40’.

guerra

“Comunidade Quilombola de Lagoinha de Cima”. Direção: Sonia Lourenço. 37’.

lagoinhadecima

Nesta primeira noite, vamos trazer produções que tratam do tema memória, realizadas ou não em regiões de conflito. Haverá uma conversa com as diretoras dos filmes. O curta “Cuiabá em uma só palavra” foi feito por alunos da UFMT, junto ao LAPA, com o objetivo de participar do Festival do Minuto, através de um mix de enquetes em que moradores de Cuiabá buscam defini-la. O segundo filme da noite é uma das entrevista da série Guerra.doc entrevistas sobre cobertura de guerra, série de entrevistas com jornalistas que estiveram em guerra, dirigido por Vanessa Pedro. Por fim, o documentário “Comunidade Quilombola de Lagoinha de Cima” é uma produção do Napas (Núcleo de Pesquisa em Antropologia Social – Artes, Performance e Simbolismos), do Departamento de Antropologia da UFMT, e foi realizado pela equipe de pesquisadores da professora Sonia Regina Lourenço, durante suas pesquisas com os moradores de Lagoinha de Cima, na Chapada dos Guimarães, que vivem a luta pela demarcação e titulação de seu território tradicional quilombola. O projeto tem financiamento de pesquisa através do Edital Proext 2013.

QUARTA-FEIRA, 18 DE NOVEMBRO, TARDE

Auditório do ICHS, 14h30

Experiências audiovisuais: sobre a produção de documentários.

Produções do LAPA (trabalhos dos alunos do curso de extensão)

Música de menino”. Direção: Vanessa Pedro. 25’

musicamenino

Neste segundo dia de curso, trataremos de tópicos relacionados à produção audiovisual no contemporâneo. A documentarista Vanessa Pedro vai apresentar o curta “Música de menino”, que conta histórias de pessoas que não vivem sem música. Gabriel, de 6 anos, é o fio que conduz a narrativa, acompanhado de três personagens, Orlando, Maria Cecilia e Gaspar, que refletem e tocam seu amor à música. Vanessa Pedro também vai falar de seu novo projeto “Almas e Angola”, um documentário em produção sobre a umbanda na cidade de Florianópolis. A diretora e o professor Marcos Aurélio da Silva, pesquisador de festivais de cinema, vão falar sobre questões relacionadas aos financiamentos do audiovisual e outros percalços nessas produções.

 

QUINTA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO, TARDE

Auditório do ICHS, 14h30

Experiências audiovisuais: memória e identidade

Babás”. Direção: Consuelo Lins. 22’

9780-E

Drag Story: lendas e babados”. Direção; Marcos Aurélio da Silva e Viviane Rodrigues Peixe. 25’.

CAPA

Neste último dia de curso, vamos tratar de mais questões envolvendo a memória e a realização de documentários em temas conflituosos e sobre identidades urbanas. Duas produções serão exibidas para dar início às discussões dessa tarde. O curta “Babás”, de Consuelo Lins traz fotografias, filmes de família, anúncios de jornais do século XX que constroem uma narrativa pessoal sobre a presença das babás no cotidiano de inúmeras famílias brasileiras, mostrando uma situação em que o afeto é genuíno, mas não dissolve a violência. Também será exibido o documentário “Drag Story: lendas e babados”, uma produção dos anos 90, sobre drag queens na cidade de Florianópolis. A diretora Vanessa Pedro vai comentar os filmes apresentados durante a semana, relacionando com a questão da memória e ressaltando o quanto as produções audiovisuais podem ser pensadas como produções de realidade e não como reflexo desta, considerando a memória não como resgate do passado mas construção do presente.

Mostra de Filmes Etnográficos do II Colóquio de Antropologia da UFMT

pirinop1

Através de uma parceria com o Instituto Catitu – Aldeia em Cena, a Mostra de Filmes Etnográficos do II Colóquio de Antropologia da UFMT vai trazer um longa e oito curta-metragens produzidos pela entidade junto a grupos indígenas do Mato Grosso e da região amazônica. O instituto foi criado em 2009 contando com produtores, cineastas e pesquisadores com mais de 20 anos de projetos culturais e ambientais com essas comunidades. Trata-se de um trabalho que visa proporcionar aos povos indígenas, através do audiovisual novas possibilidades de se expressarem, transmitindo e compartilhando suas visões de mundo e seus conhecimentos. Essa formação audiovisual dirigida aos povos indígenas já tem como resultado cerca de 30 filmes que já circularam entre outras comunidades no Brasil e conquistaram prêmios.

Algumas dessas produções serão exibidas no II Colóquio de Antropologia da UFMT, evento realizado pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia. A sócia-fundadora do Instituto Catitu, Cláudia Pereira Gonçalves, vai estar presente nas exibições e vai falar um pouco desse projeto. A produção audiovisual em comunidades indígenas no Brasil tem sido uma das principais armas dessas comunidades em suas lutas pela terra e por reconhecimento, com destaque para outras experiências também de sucesso como o Vídeo nas Aldeias.

A produção do Instituto Catitu – Aldeia em Cena pode ser conhecida através do site da entidade (http://institutocatitu.org.br/). Abaixo a programação dos dois dias de Mostra.

O II Coloquio de Antropologia da UFMT vai acontecer de 7 a 9 de outubro e também vai contar com palestras, mesas redondas e grupos de trabalhos, com o tema “Antropologia, Experiências Etnográficas e Saberes Plurais”. Conheça um pouco mais do evento em http://sistemas.ufmt.br/ufmt.evento/Site.aspx?eventoUID=167.

Quinta-feira, 8 de outubro, às 19h.

Local: Auditório da Faculdade de Economia

Pirinop – Meu primeiro contato

pirinop2

Em 1964, os índios Ikpeng têm seu primeiro contato com o homem branco numa região próxima ao rio Xingu, no Mato Grosso. O filme relata este encontro, ou o que restou dele: as lembranças, o exílio, a terra abandonada, o desejo e a luta pelo retorno.
Direção: Mari Corrêa e Karané Ikpeng. Duração: 83 minutos.

Trailer Pirinop – Meu Primeiro Contato from Instituto Catitu on Vimeo.

Sexta-feira, 9 de outubro, às 18h.

Local: Auditório da Faculdade de Economia

 A História da Cutia e do Macaco

cutiamacaco

O filme é baseado em uma história tradicional do povo kawaiweté. Este curta-metragem foi feito a partir do material capturado na segunda edição da Oficina de Formação Audiovisual das Mulheres Indígenas, realizada em junho de 2009, na aldeia Kwarujá, Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso. Direção: Wisio Kayabi. Duração: 12 minutos.

Dia de Pesca e de Pescador

pesca

Venha ver a pescaria das crianças huni kuĩ.

Encontro das Mulheres Xinguanas

xinguanas

Com o intuito de fortalecer o protagonismo das mulheres da Terra Indígena do Xingu, a Associação Yamurikumã realizou o Encontro das Mulheres Xinguanas em outubro de 2013, em Canarana, no Mato Grosso. O encontro reuniu 250 mulheres de 16 etnias que discutiram o papel que a Associação Yamurikumã deve exercer para que as mulheres xinguanas tenham mais força e participação política nas instâncias de decisão dentro e fora do Xingu.
O objetivo do vídeo é divulgar as ideias discutidas no Encontro e mobilizar parceiros para dar apoio às ações das mulheres xinguanas.
Através do apoio à organização das mulheres e da formação audiovisual, o Instituto Catitu busca a valorização dos saberes femininos e o fortalecimento de seu protagonismo.  Direção: Mari Corrêa

Formação Audiovisual de Mulheres Indígenas

audiovisual

Instituto Catitu propõe dar voz e visibilidade às mulheres indígenas da Amazônia brasileira capacitando-as no uso de ferramentas e linguagens contemporâneas de produção cultural, como o vídeo e a fotografia, para a valorização dos saberes femininos e o fortalecimento de seu protagonismo. O projeto é uma iniciativa inédita no Brasil que atende a uma demanda das mulheres indígenas por um forma criativa de expressar suas ideias e saberes. Direção: Mari Corrêa e Raquel Diniz.  Duração: 17 minutos

Huni Kuĩ – Povo Verdadeiro

huni-povo

Os Huni Kuĩ vivem em 12 terras indígenas no Acre. São também conhecidos pelo nome Kaxinawá.

Manual das Crianças Huni Kuĩ

manual

As crianças do povo Huni Kuĩ que vivem na Terra Indígena Kaxinawá do Rio Humaitá, no Acre, mostram como é a vida na aldeia: brincadeiras, pescaria, festa, histórias… Os nove pequenos vídeos fazem parte do projeto Tecendo Saberes com patrocínio do Programa Petrobras Cultural. Direção: Mari Corrêa

Notícias dos Brabos

brabos

Alguns povos indígenas vivem voluntariamente isolados até os dias de hoje na fronteira entre o Brasil e o Peru, no Estado do Acre. São uma das últimas populações isoladas do planeta Terra. O avanço da exploração madeireira, da mineração, da prospecção de petróleo e gás, e a presença do narcotráfico estão obrigando estes povos a se deslocarem do Peru para o Brasil em busca de refúgio. A presença dos ‘brabos’, como são chamados na região, vem provocando conflitos com as populações indígenas que possuem seus territórios reconhecidos do lado brasileiro da fronteira e com as comunidades ribeirinhas vizinhas. Notícias dos Brabos é um projeto documentário do cineasta Nilson Tuwe, do povo Huni Kuĩ. Nilson vive na Terra Indígena do Rio Humaitá, onde há presença de um destes grupos de isolados. Empenhado na busca de soluções para protegê-los, sua abordagem sensível tem sido capaz de problematizar e transmitir a visão dos índios sobre os “parentes brabos”. O filme é uma realização do Instituto Catitu em parceria com a Comissão Pró-Índio do Acre e a Associação Indígena Kaxinawa do Rio Humaitá. O projeto está em fase de captação de recursos para dar início à edição. Direção: Nilson Tuwe

 Delícia de Açaí

acai

As crianças huni kuĩ da Terra Indígena do rio Humaitá mostram como se prepara um delicioso açaí.